terça-feira, 5 de maio de 2015

Novo blog

Na verdade não pretendo fechar o bem juntados, mas pela correria não estamos conseguindo me dedicar a ele. Enquanto isso posto texto com minhas amigas aqui:

www.gottabereal.com.br
Em breve espero ter tempo de continuar postando sobre a casa e essas coisas por aqui. Enquanto isso não acontece, vamos para o gotta be real :)

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Sobre tornar-se adulto na ditadura da juventude

A ideia de um período de transição entre a infância e a vida adulta é um conceito recente que surgiu no contexto pós segunda guerra mundial. Nessa época surgiu uma geração que resistia a se integrar à vida adulta e causava estranheza. Liberdade sexual, rock, drogas, calça jeans e camiseta não significavam nada em conjunto até então. OK, sabemos que essa "juventude transviada" foi engolida pela indústria, estereotipada e traduzida como um segmento de mercado, como o pessoal do Cake bem pontuou em "rock and roll lifestyle", mas contextualização é importante né, minha gente?

"how much did you spend on your black leather jacket?"
O IBGE classifica jovens como a população entre 15 e 24 anos. Só que culturalmente vivemos em uma época em que se exige que essa fase da vida seja perpetuada pela eternidade. Cultuam-se pessoas que aparentam ter a metade da sua idade. Produtos rejuvenescedores milagrosos são anunciados no Globo Repórter e desaparecem das prateleiras no dia seguinte. Nas redes sociais a norma é expor uma vida efusiva e feliz, sem momentos de tédio ou tristeza.

Para mim, a box1824 definiu muito bem esse momento ao propor que os jovens "Estão no topo da pirâmide de influência. E são aspiracionais para os mais novos e inspiracionais para os mais velhos".


Afinal, como querer envelhecer na Era do efêmero, do imediado, dos excessos? Características que justamente descrevem tão bem o que é ser jovem.

Uma das cenas de filme que mais me marcou na vida foi a abertura de Trainspotting (se você não assistiu, recomendo fortemente). Um minuto e quarenta segundos de filme e você já leva um soco no estômago. Ele traduz bem essa angústia de estar colocando sua energia vital em algo que no fim vai ser inútil. E essa sensação orienta nossa visão de mundo e nos assombra por muito tempo. Essa perspectiva faz você se sentir culpado por não estar "aproveitando a vida". De estar "desperdiçando" um sábado a noite com o Netlflix. De trabalhar e ter contas para pagar ao invés de estar em um mochilão in-crí-vel por 47 países e ser uma alma livre.

A parte boa é que um dia você acorda e essa culpa passa. Você admite para você que não tem mais saco de esperar 2 horas em pé na fila de uma balada para ficar em pé mais três horas lá dentro, pagando 20 reais em um drink e não poder conversar com ninguém por causa do som. 


De repente você se dá conta que os mesmos R$ 100,00 que você gastaria ali pagam um jantar fantástico ou quatro happy hours em um boteco copo sujo maravilhoso que você adora (e que isso faz muito mais sentido). E que ir para Nova York e se interessar mais por museus do que por qualquer outra coisa é OK. E que tá tudo bem em decidir ir ao parque e ficar com um livro no lugar daquele festival de musica descolado que tá rolando. E que explorar suas habilidades gastronômicas é divertido afinal. E que você gosta mais de chamar suas amigas para jantar na sua casa do que ir no novo bar da moda para pôr a conversa em dia. Enfim, você resolve abraçar essa nova fase da sua vida e passa deste estado de espírito:


Para esse:


Claro que tem gente que decide continuar na vibe forever young e tudo bem também. Mas o que eu quero dizer é não tem nada de errado com os meus "65 anos feelings", porque envelhecer não é anormal. 

No fim das contas, a única certeza que fica é que "a felicidade só é real quando compartilhada" (aliás, outra dica de filme foda) - e não importa se você vai fazer isso em uma rave em Ibiza ou no curso de jardinagem. 

domingo, 21 de dezembro de 2014

Decoração: Terrários Geométricos Score+Solder

Eu não sou boa com plantas, mas acho elas lindas. Em 2015 uma das minhas metas é ter uma horta e cultivar algumas suculentas. Bem nível jardinagem for dummies, eu sei, mas a gente tem que começar de algum jeito né?

Aí procurando inspirações na internê (sou batian, me deixa com essas gírias),  descobri esses terrários do estúdio de design canadense Score+Solder, fundado por Matthew Cleland. Todos maravilhosos e divos.


Eles são feitos a mão e tem desde formatos piramidais até dodecaédricos.


Eu ando meio obcecada por esse terrário suspenso, da esquerda:


E esse terrário com um cristal pendurado? Amei tanto!


Olha eles na decoração que coisa maravilhosa:


Como diria Duds Jorge:

Usar meme atrasado: PODE SIM!!!


domingo, 23 de novembro de 2014

Sushi Yama Juvevê: Rodízio Japonês Bom e Barato em Curitiba

Quando eu me mudei para Curitiba conheci alguns rodízios japoneses muito bons, mas todos na faixa de R$ 70,00 por pessoa. Esse preço me desanimava e eu deixava para comer comida japonesa somente quando ia visitar meus pais em Londrina.

Até que uma amiga comentou sobre o rodízio do Sushi Yama do Juvevê que era R$ 50,00 por pessoa que incluía pratos com frutos do mar. Ok, não é super barateza, mas para o padrão de preço de rodízio japonês na cidade, achei esse valor bem amigo. Ainda mais incluindo frutos do mar e ingredientes de qualidade.

Conhecemos o restaurante ontem, adoramos e pretendemos voltar mais vezes! O sistema é aquele tradicional de ter uma lista de pratos que você pedir o que quiser até as 22:00

Por fora, a fachada é simples e por dentro aconchegante. Chegamos mais ou menos 20:30 em um sábado e o movimento estava tranquilo. Fomos bem atendidos por uma moça muito simpática.

De pratos quentes começamos com o Guioza ( podia ser cozido ou frito) e shitake na manteiga.


Optamos pela versão frita do guioza, que estava super crocante e quentinho. O Shitake também estava divino!

Nos pratos frios, começamos com sashimi de salmão e de lula com limão.


No cardápio estava escrito que o sashimi de cada tipo de peixe estava limitado a 10 peças por pessoa, mas pela foto dá para ver que nossa porção veio bem caprichada né? O sashimi de lula com limão estava bem gostoso também, ambos com uma textura ótima.

Prosseguindo com os pratos frios pedimos um temaki e sushi filadélfia. 


Nem preciso explicar muito né? <3

Como não brincamos em serviço, ainda pedimos uma porção de hot filadélfia e um teppanyaki de frutos do mar para fechar.

Já deu para perceber que a combinação de salmão com creamcheese é a nossa favorita? 
O hot estava quentinho e o molho agridoce bem saboroso. 

Achei que tinha tirado foto do teppanyaki de frutos do mar, mas quando cheguei em casa não estava no celular #fail. No prato tinha lula, camarão, mexilhão e legumes, tudo cozido no ponto.

No cardápio ainda tinha missoshiro, sunomomo, mexilhões agridoces, sushis doces, sashimi de atum e tilápia, tempurá e yakissoba. Lembrando que dos pratos que pedimos, todos tem em outros sabores no cardápio. 

Além da comida, pedimos 2 águas sem gás e uma água tônica. A conta total ficou em R$ 119 e uns quebrados para o casal.

Adorei a experiência e pretendo voltar mais vezes. Só fica a sugestão de incluir gohan no cardápio, porque comer shitake batayaki e tappanyaki com gohan é o segredo da felicidade da vida.


sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Hábito Japonês: Tirar Sapatos em Casa (Genkan)

Meus avós paternos são japoneses e mantenho alguns hábitos da cultura nipônica por aqui, e um deles é não usar sapato dentro de casa.

Nas residências japonesas existe o genkan, que é um "degrau mais baixo" na entrada da casa no qual você deixa o sapato que usou na rua e troca por um chinelo limpo.
Ilustração do Genkai por Mireia Moreno Sellarés
Na cultura japonesa, além da questão da higiene, existe um significado simbólico por trás do ato de tirar o sapato. Os japoneses acreditam que o genkan mantém a energia impura da rua longe do lar, mantendo a harmonia dele com uma espécie de "higiene espiritual".

Como nem e o Ed somos supersticiosos, nós tiramos o sapato por questão de limpeza mesmo. Essa é a nossa versão abrasileirada do genkai:


Como obviamente não temos um desnível em relação à rua na entrada, os sapatos ficam nesse capacho da Havan. O pufe de vitrola fica ao lado deles para facilitar na hora de calçar os sapatos.

Close no pufe fofo que chegou essa semana e mostrei aqui. Ainda estou muito apegada:

 Fica a dica!

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Compras Online: Casa Geek

Hoje chegaram as compras que fiz da Casa Geek! O meu foco principal era o pufe, mas tinha tanta coisa legal de decoração criativa que não resisti e acabei comprando outras coisinhas junto.

Links dos Produtos: Porta Guardanapo Fita CassetePorta Copos Baralho|  Pufe Toca Discos Retrô  
O serviço foi muito rápido:

08/11 - Fiz a compra por boleto sábado e paguei no mesmo dia.
11/11 - Dia 11 o status da compra mudou para "Em Expedição" e no mesmo dia foi enviado.
13/11 - Chegou!

Todos os produtos são de ótima qualidade e tudo veio muito bem protegido.

Amei tudo e aos poucos mostro as fotos!

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Inspiração: Aquarelas Lindas de Philippa

Não sei como cheguei no blog da Philippa, o cocoskies, mas a beleza da internet está justamente em conhecer trabalho de gente aleatória ao redor do mundo que nunca saberíamos da existência em outros tempos.

Esse é o topo do blog dela:


Me diz, gente, como não amar?

Isso também é infinitamente fofo:

Para quem tem um "canto de maquiagem" não tem como não sonhar com quadros dessas ilustrações lindas para decorar:



Ainda na vibe decorativa já imaginei muito essa ilustração emoldurada sobre meu futuro bar em casa:


Essas ficariam lindas na cozinha:




Tudo lindo e inspirador. Para quem quiser ver mais aquarelas dela, é só clicar aqui.